O sutil distanciamento de Deus entre os cristãos

Autores

Palavras-chave:

Ateísmo, Pós-modernidade, Religião

Resumo

Tem crescido, na contemporaneidade, o número de ateus e de influências ateístas nas formas de pensar e agir de muitos indivíduos, inclusive entre aqueles que acreditam em Deus. As preocupações cotidianas advindas da sociedade moderna, tem ocupado, paulatinamente, mais espaço na vida dos crentes do que as preocupações com o pecado, a morte, o inferno, o paraíso, entre outros. Diante disso, faz-se oportuno indagar: Com o avanço do ateísmo, estaria, o mundo, tornando-se ateu? Os teístas estão abandonando o seu sagrado? Este artigo busca assim, analisar a impregnação sutil de concepções e ideais ateístas no pensamento religioso dos indivíduos pós-modernos, na busca de compreender o crescente desligamento de Deus observado nas atitudes e nos discursos dos crentes.

Biografia do Autor

Neuda Batista Mendes França, Pontifícia Universidade Católica de Goiás

Professora de ensino fundamental, mestranda em Ciências da Religião.

Referências

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade Líquida. Tradução: Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BAUMAN, Zygmunt. O mal-estar da pós-modernidade. Tradução: Mauro Gama e Cláudia Martinelli Gama. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 1998.

ELIADE, Mircea. O sagrado e o profano. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução: Tomaz Tadeu da Silva e Guacira Lopes Louro - 11ª edição. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

LACROIX, Jean. Posições do ateísmo contemporâneo. São Paulo: Herder, 1965.

MINOIS, Georges. História do Ateísmo. Tradução: Flávia Nascimento Falleiros, 1ª ed. São Paulo: Unesp, 2014.

OTTO, Rudolf. O sagrado. São Bernardo do Campo: Imprensa Metodista, 1985.

Publicado

2019-01-28

Edição

Seção

Dossiê