Espaços da Morte e os Usos da Memória

Autores

  • Edson Arantes Junior
  • Gilson Soares Rosa

Resumo

O fato biológico da morte desorganiza a rede simbólica em que os indivíduos se inserem. Para afastar esse poder desestruturador, práticas e representações, mitos e ritos são necessários. Nesse artigo buscamos compreender como os túmulos são lugares de memória fundamentais para a construção das hierarquias sociais e para a distribuição dos poderes. Nós vamos pensar a função social dos túmulos. Tais elementos serão fundamentais para uma teoria da memória e sua relação com os sepultamentos. A sepultura é uma marca humana, que busca evidenciar a memória de alguém. A partir de exemplos históricos concatenaremos esses elementos, vinculando morte, memória e poder.

Referências

CATROGA, F. Memoria, História e historiografia. Rio de Janeiro: FGV, 2014.

CATROGA, F. O céu da memória: cemitério romântico e memória. Coimbra: Minerva, 1999.

COULANGES, Fustel de. A cidade antiga. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

GEETZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

GINZBURG, Carlo. Olhos de madeira: nove reflexões sobre a distância. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

HALBWACHS, Maurice. A Memória coletiva. São Paulo: Centauro, 2004.

HARTOG, François. O Espelho de Heródoto: ensaio sobre a representação do outro. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1999.

LE GOFF, Jacques. História e Memória. Campinas: Ed. UNICAMP, 2003.

MESLIN, Michel. L’Homme romain. Bruxelles: Complexe, 2001.

NORA, Pierre. Entre memória e História: a problemática dos lugares. Projeto História. São Paulo, n. 10, p. 07-28, 1993.

POLLAK, Michael. Memória, esquecimento, silêncio. Estudos históricos. Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, p. 3-15, 1989.

RICOEUR, Paul. A memória, a História e o esquecimento. Campinas-SP, UNICAMP, 2007.

SEIXAS, Jacy Alves de. Percursos de memórias em terras de História: Problemáticas atuais. In: BRESCIANI, Stella & NAXARA, Márcia (orgs.). Memória e (res) sentimento: indagações sobre uma questão sensível. Campinas: Ed. UNICAMP, 2004. p. 37-58.

SORGENTINI, Hernán. Reflexíon sobre lá memória y autorreflexión de la historia. Revista Brasileira de História. São Paulo, v. 23, n. 45, p. 103-128, 2003.

THOMPSON, Barbara. Memória e exaltação da vida no cemitério monumental. In. Sociais e Humanas Santa Maria, V.27. nº 03, set/dez 2014, pg 89 – 107. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/sociaisehumanas/article/view/14883.

VELHO, Gilberto. Memória, identidade e projeto. Revista Tempo Brasileiro. São Paulo, v. 95, p. 119-126, 1988.

VERNANT, Jean Pierre. A bela morte e o cadáver ultrajado. Discurso. São Paulo, n. 9, p. 31-69, 1979.

WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In: SILVA, Tomás Tadeu da (org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2005. p.07-72.

Publicado

2019-01-28

Edição

Seção

Dossiê