PROSPECÇÃO FITOQUÍMICA DA ESPÉCIE Justicia pectoralis JACQ. VAR. STENOPHYLLA LEONARD PERTENCENTE À FAMÍLIA ACANTHACEAE

Autores

  • Laís Lima Nabuco Araújo Faculdade Serra da Mesa

Palavras-chave:

Prospecção Fitoquímica. Justicia pectoralis. Metabólitos secundários

Resumo

As plantas medicinais representam boa parte da matéria-prima para a confecção de medicamentos, mas de toda a flora mundial, apenas uma pequena parcela é conhecida pela ciência até o momento. Considerando a enorme importância de novos estudos sobre plantas com caráter medicinal, este trabalho teve por objetivo fazer a prospecção fitoquímica de folhas da espécie Justicia Pectoralis, pertencentes à família Acanthaceae e gênero Justicia, encontrada no bioma Cerrado, sendo utilizada na medicina popular. Foram coletadas folhas da espécie em questão em Casa de Vegetação na Estação Experimental de Biologia da Universidade de Brasília- DF sendo cultivadas sob condições ambientais não controladas, em abril de 2009. Da amostra pulverizada foram feitas análises qualitativas das principais classes de metabólitos secundários de acordo com Paula e Bara (2007) para: alcalóides, taninos, flavonóides, esteróides, triterpenóides, saponinas, cumarinas e antraquinonas. Através da prospecção fitoquímica das folhas, os testes foram positivos para alcalóides, flavonóides, esteróides, saponinas e cumarinas. Sendo assim, sugere-se que as possíveis ações terapêuticas desta espécie, sejam direcionadas por estes metabólitos secundários.

Biografia do Autor

Laís Lima Nabuco Araújo, Faculdade Serra da Mesa

Coordenação do Curso de Farmácia da Faculdade Serra da Mesa, Uruaçu-Goiás

Referências

ALEXANDRE, R.F.; BAGATINI, F; SIMÕES, C.M.O. Interações entre fármacos e medicamentos fitoterápicos à base de ginkgo ou ginseng. Revista Brasileira de Farmacognosia, João Pessoa, v.3, n.1, 2008.

ATHERTON, P. The Essential Aloe Vera. Paperback. 1997.

BOTH, M.C.; PALLAZZO, J.T. Flora Ornamental Brasileira. Porto Alegre. Ed. Sagra – DC Luzzatto, 1993. 283p.

COSTA, A. F. Farmacognosia. 2 ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian. v. 3. 1982.

COSTA, A.F. Farmacognosia. 3. ed . Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, v. 3, 2001.

FILHO, V.C.; PEDROSA, R.C.; YUNES, R.A. Fármacos e fitoterápicos: a necessidade do desenvolvimento da indústria de fitoterápicos e fitofármacos no Brasil. Química Nova, São Paulo, v.24, n.1, 2001.

GOTTLIEB, O. R. & BORIN, M. R. M. B. The diversity of plants. Where is it? Why is it there? What will it become? Anais da Academia Brasileira de Ciências. 66 (Supl. 1 - Parte I): p. 205-210, 1994.

LACAILLE-DUBOIS, M. A.; WAGNER, H. A review of the biological and pharmacological activities of saponins. Phytomedicine, v. 2, n.4, p. 363-386, 1996.

MORAIS, G. R.; NETO, G. G. Recursos medicinais de espécies do Cerrado de Mato Grosso: um estudo bibliográfico. Revista Acta Botânica Brasílica, São Paulo , v.17, n. 4, oct./dec., 2003.

NASCIMENTO, E. Os princípios ativos das plantas- parte 1, 2009.

OLIVEIRA, A.F.M.; ANDRADE, L.H.C. Caracterização morfológica de Justicia Pectoralis Jacq. e J. Gendarussa Burm. F. Acta Amazônica, Manaus, v.30, n.4, 2000.

PAULA, J. R.; BARA, M.T.F. Farmacognosia 2. Universidade Federal de Goiás- Faculdade de Farmácia: Apostila de aulas práticas. 2007.

ROPERTO; OKA. C .A. Herbário Aquileia: Coleta e Princípio Ativos. São Paulo, 2000.

SILVA, C.R. et al. Método espectroscópico para determinação de cumarina em xarope de Mikania glomerata Sprengel. Revista Brasileira de Farmacognosia, João Pessoa, v.18, n.4, 2008.

SIMÕES, C.M.O. Farmacognosia: da Planta ao Medicamento. 6. ed. Florianópolis: UFSC; Porto Alegre. 2007.

TRUEBA, G.P. et al. Evaluácion de la actividad antioxidante de Justicia Pectoralis Jacq. Cubana Invest Biomed, Cuba, v.20, n.1, p. 30-33, 2001.

VALIM, Y. M. L. et al. Produção de Radicais de Oxigênio por Neutrófilos Ativados por Diferentes Estímulos: Função de Flavonóides. Universidade de São Paulo. 2007.

WASSHAUSEN, D. Acanthaceae (Acanthus familiy). In: SMITH, N., MORI, S. A., HENDERSON, A., STEVENSON. D. W., HEALD, S. V. Flowering plants of the neotropics , The New York Botanical Garden, Princeton University Press, p. 3- 7, 2004.

Publicado

2015-10-30

Edição

Seção

Dossiê